Aliança Energia testa sirene no bairro Barra do Manhuaçu em Aimorés/MG

Aliança Energia testa sirene no bairro Barra do Manhuaçu em Aimorés/MG - Aliança Energia

Os moradores de Aimorés que residem mais próximos ao rio Doce devem ouvir o teste de uma sirene. Trata-se de uma ação preventiva relacionada ao Plano de Segurança e Alerta da Usina Hidrelétrica de Aimorés, pertencente à Aliança Energia, e as pessoas não precisarão deixar suas casas.

O teste da sirene, instalada no bairro Barra do Manhuaçu, foi inicialmente agendado para o sábado (24/04) às três horas da tarde. Devido a problemas técnicos, foi necessário adiar, ainda sem nova data definida. De acordo com Adilison Melo, coordenador da Usina de Aimorés, o acionamento da sirene é um mecanismo complementar ao Sistema de Alerta, utilizado pela Defesa Civil para comunicar a população sobre possíveis situações de emergência no Trecho de Vazão Reduzida (TVR). Anteriormente foram realizados testes surdos que, apesar de não emitirem som, confirmaram as condições de acionamento da sirene. “Este será só mais um teste preventivo e a população deve permanecer tranquila e em casa, evitando aglomerações”, ressalta Adilison.

Em uma situação real, essa sirene somente será acionada caso haja uma grande enchente ocorrendo no Médio Rio Doce, onde se localiza Aimorés e, além disso, as três turbinas da Usina parem de funcionar ao mesmo tempo. Em 16 anos de operação da Usina de Aimorés nunca houve esse tipo de ocorrência.

Saiba mais!


Programa de Segurança e Alerta

Documento que propõe ações preventivas para orientar os moradores de Aimorés, principalmente os residentes nas regiões mais próximas às margens do rio Doce, para que saibam agir em situações de enchentes. O Programa é conduzido pela Aliança Energia em parceria com a Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (COMPDEC) de Aimorés.

Trecho de Vazão Reduzida (TVR)

Trecho que se forma entre a barragem principal – localizada aos pés da Pedra Lorena – e a Casa de Força (no distrito Santo Antônio do Rio Doce), onde o volume de água é menor para possibilitar a geração de energia pela UHE Aimorés. Em situações de enchentes na Bacia do Rio Doce, esse trecho é menos atingido pela quantidade e força das águas.

Ocorrência de enchentes

Todo rio possui dois ciclos distintos: seca, durante o período de estiagem em que diminui o volume de água e é possível ver parte do leito do rio; e cheia, na época das chuvas em que aumenta o volume de água e ela pode até ultrapassar os limites da calha do rio (planície de inundação), transformando-se em uma enchente. As causas mais comuns das enchentes são muita chuva por períodos prolongados, ausência de matas ciliares, bloqueios na calha do rio (construções indevidas, assoreamento, atividades irregulares no leito rio etc.).

 

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *