Confira as atualizações do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento da Aliança referente a 2021

A Aliança Energia, visando dar publicidade dos recursos investidos nos projetos integrantes do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento regulado pela ANEEL, apresenta a seguir os resultados alcançados.

Em paralelo, a empresa continua acompanhando os três projetos vinculados a contratos de fomento à pesquisa, firmados com pesquisadores/executores em 2017. Estes contratos totalizam cerca de 38,3 milhões de investimento a serem desembolsados no período de 2017-2022.

Além das atividades dos referidos projetos, a Aliança mantém contínua prospecção de novas propostas, avaliando e selecionando potenciais novos projetos para os anos futuros com foco nos seguintes temas:

  • FA – Fontes alternativas de geração de energia elétrica;
  • GT – Geração Termelétrica;
  • GB – Gestão de Bacias e Reservatórios;
  • MA – Meio Ambiente;
  • PL – Planejamento de Sistemas de Energia Elétrica;
  • OP – Operação de Sistemas de Energia Elétrica.

A Aliança Energia, por meio de seu Comitê de Inovação (interno) criado com vistas à prospecção permanente de oportunidades de projetos que se alinhem aos seus objetivos estratégicos de pesquisa e desenvolvimento, atuou de forma ativa para a estruturação de futuras ações, culminando na inclusão no Programa de P&D ANEEL, em 2020, (assinatura) do projeto PD_2001 – “Desenvolvimento de programas computacionais para análise e predição de mercado de comercialização de energia”.

Recursos aplicados em pesquisa e desenvolvimento tecnológico e científico

PESQUISA POR TEMA2018201920202021
FA – Fontes alternativas de geração de energia elétrica solarR$
5.630.576,55
R$
4.683.880,60
R$
5.679.642,73
R$
4.333.370
PL – Planejamento de Sistemas de Energia ElétricaNão AplicávelNão AplicávelR$
425.133,11
R$
620.348

Resultados alcançados em 2021

Binários eólico-solar e hídrico-solar: estudos para imbricar, com máxima eficiência, diferentes tecnologias fotovoltaicas em usinas existentes, compartilhando T e D e aumentando a capacidade de geração.

Objetivo: imbricar tecnologias fotovoltaicas às usinas existentes, aumentando sua capacidade de geração.

Resultado: proporcionar a minimização dos impactos da expansão das infraestruturas de transmissão e distribuição, bem como da construção de novas usinas de geração, uma vez que prevê a hibridização em áreas antropizadas e previamente estudadas e licenciadas. Permite, ainda, o desenvolvimento da tecnologia fotovoltaica em âmbito nacional.

Duração: 48 meses aditivados em mais 12 meses a partir de novembro de 2017.

Categoria e tema: desenvolvimento Experimental. Atende, principalmente, ao tema Fontes Alternativas e, de forma secundária, aos relacionados à Gestão de Bacias e Reservatórios e Meio Ambiente, Planejamento de Sistemas de Energia Elétrica e Operação de Sistemas de Energia Elétrica.

Executor: Alsol Energia Renováveis S.A.

Custo estimado: cerca de R$ 26 milhões após reajustes e aditivos.

Ações em 2021: durante o ano, os destaques se deram pelo acompanhamento da operação da UFV Pedra Lorena, fotovoltaica flutuante implantada no reservatório da UHE Aimorés, que possuem flutuadores 100% nacionalizados pelo projeto e dos resultados obtidos em função do crescimento de macrófitas no flutuante. Também pelas atividades de instalação da UFV Flor de Mandacaru, usina fotovoltaica em solo que comporá um conjunto híbrido com a EOL Santo Inácio, permitindo as análises de complementariedade de geração junto à Eólica e também o impacto do sombreamento das torres frente à geração fotovoltaica.

Critérios científicos e métodos para dimensionamento de parques eólicos em regiões de atmosfera tropical e modelamento dos impactos sistêmicos da inserção de fontes eólicas na região Sudeste do Brasil.

Objetivo: desenvolver critérios e metodologias necessárias para a inserção da fonte eólica no cenário energético da região Sudeste do país, considerando as características específicas dos ventos tropicais e intertropicais e os impactos dos sinais locacionais na seleção da conexão ao Sistema Interligado Nacional (SIN). A se considerar ainda a identificação e precificação dos benefícios associados à proximidade da geração ao centro de carga em detrimento de custos inerentes à implantação destes parques nas regiões Nordeste e Sul.

Resultado: adaptar ao clima do Brasil os modelos computacionais utilizados para o desenvolvimento de parques eólicos e permitir um ajuste dos parâmetros empregados nos modelos matemáticos de dimensionamento da expansão da oferta de energia. O intuito é proporcionar melhores resultados técnicos para os projetos e para o sistema elétrico e, consequentemente, otimizar os impactos ambientais ocasionados pela necessidade de ampliação e reforço do sistema para o escoamento da energia elétrica.

Duração: 60 meses a partir de dezembro de 2017.

Categoria e tema: Pesquisa Aplicada – PA. Atende, principalmente, ao tema Fontes Alternativas.

Executor: Horizonte Energias Renováveis (HER) e Instituto de Energia da Fundação Getúlio Vargas (FGV Energia).

Custo Estimado: cerca de R$ 10,5 milhões.

Ações em 2021: foi concluído o segundo ciclo anual de medições anemométricas e o primeiro ciclo anual de medições solarimétricas. Foram realizadas análises detalhadas do regime dos ventos e sua variação ao longo do dia e ano, permitindo a implementação de mecanismos de tropicalização dos softwares comerciais através da calibração dos parâmetros originais adotados para as regiões de clima temperado. Foi desenvolvida a primeira metodologia de extrapolação de dados para grandes alturas, baseada no parâmetro velocidade. Foi concluída a prospecção e definição para a campanha com sensoriamento remoto, que fundamentará a comprovação das metodologias de extrapolação de velocidade desenvolvidas. Foram reavaliadas as estimativas de geração de energia elétrica a partir da fonte eólica nas regiões estudadas, empregando-se diferentes aerogeradores, com estudo através do método da potência disponível. Foram desenvolvidas análises de sensibilidade dos impactos da inserção da geração eólica nas dimensões operação e expansão do sistema elétrico da região Sudeste, e iniciados estudos de portfólio de empreendimentos de geração na região com o desenvolvimento de um simulador em versão inicial. Foram consolidados os estudos regulatórios, contemplando o estágio atual de desenvolvimento das discussões no âmbito do Grupo de Trabalho da Modernização do Setor Elétrico e apresentadas proposições para aprimoramento regulatório, considerando a inserção dos custos globais na expansão da oferta. Foram realizadas entrevistas com especialistas e representantes dos diversos agentes que atuam no setor elétrico, cuja consolidação subsidiará as próximas etapas do aprimoramento regulatório. Foram produzidos artigos e realizadas apresentações de resultados preliminares dos estudos já realizados.

Desenvolvimento de metodologia e sistema computacional para identificar a sinergia, otimizar a comercialização de energia e a gestão de riscos oriundas de um portfólio composto por geração hidrelétrica, eólica, solar e armazenamento de energia.

Objetivo: desenvolvimento de arcabouço teórico e ferramentas computacionais para a mensuração e mitigação do risco advindo de contratos de comercialização de energia em um portfólio composto de hidrelétricas, eólicas, solar e armazenamento de energia, considerando a sinergia entre as fontes.

Resultado: estudo e incorporação de métricas de suporte à decisão sobre os resultados da comercialização de energia elétrica e os riscos que são considerados aceitáveis, bem como a implantação de sistema computacional que utilizará de uma grande gama de dados, gerando resultados de compromisso entre retorno e risco do portfólio de energia utilizando metodologias de otimização multiobjetivo.

Duração: 36 meses a partir de abril de 2020.

Categoria e tema: desenvolvimento Experimental. Atende ao tema Planejamento de sistemas de energia elétrica.

Executor: Enacom

Custo Estimado: cerca de R$ 1,8 milhão.

Ações realizadas em 2021: Foram implementadas atividades relacionadas ao detalhamento da métrica de risco, modelagem das fontes com suas respectivas características, realização de diversos testes a partir da utilização assistida com a consistência dos resultados obtidos e, também, aprimoramento da disponibilização e entrada de dados na ferramenta computacional para maior agilidade no processo. Além disso, alguns artigos relacionados ao P&D foram inscritos em um seminário nacional e, também, a realização do 1º workshop sobre o projeto.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.